Artigos importantes

Destaque

O mito das condições iguais para todos

Por Peter Buffett em "A vida é o que você faz dela"

 

Líderes políticos e empresariais gostam muito de falar sobre “o campo de jogo nivelado”, ou seja, as “condições iguais para todos”.


A oportunidade econômica deveria ser igual para todos. O poder político deveria ser igual para todos...

 

 

Projeto ASEE-ABESA

 

Mensagens da semana

Homenagem

Miguel Calmon Sobrinho

 

Miguel Calmon du Pin e Almeida Sobrinho nasceu no dia dois de maio de 1912, em Salvador, filho de Francisco Marques de Góis Calmon e de Julieta Maria de Góis Calmon.

 

Sugestões de leitura

Sites úteis

Login

Quem é  a ASEE

 

Quando da intervenção do Banco, para que houvesse uma vigilância quanto aos direitos trabalhistas, um grupo de funcionários resolveu criar uma nova associação.

Foi então fundada a Associação dos Empregados do Banco Econômico – ASEE que passou então a tratar de assuntos de interesse dos empregados do Banco do Econômico, a exemplo de Plano de Saúde, correção de FGTS, orientação, e outros.

Mas a ASEE não foi a primeira associação dos funcionários do Banco. Vamos conhecer um pouco da história das associações que a antecederam.

A ASDEB – Associação Social Desportiva Banco Econômico – foi fundada em 13 de agosto de 1945. A sua sede foi construída no então longínquo bairro de Amaralina, em terreno doado pela família de Dr. Miguel Calmon Du Pin e Almeida.

A sede funcionava como um clube e colônia de férias dos funcionários do Econômico – Colônia de Férias Góes Calmon – numa construção em dois módulos: o principal possuía salão de festas, copa, cozinha e três apartamentos de casal; o segundo módulo com quatro apartamentos de solteiro, com espaço para três camas cada.

A preferência era para os funcionários das agências do interior em lua-de-mel ou de férias, que lotavam todas as dependências da Colônia durante todo o ano. Mas o pessoal das agências de Salvador também tinha a sua vez, principalmente nos fins-de-semana, quando para lá muitos colegas se dirigiam para saborearem inigualável feijoada, após o banho de mar e as brincadeiras e jogos que eram feitos na sede. Era uma verdadeira festa de integração e tudo baratinho, pois o Banco subsidiava as despesas.

A ASDBE era responsável pela administração do restaurante, que se localizava no último andar do prédio da Praça da Inglaterra e também promovia festas e passeios para os associados.

Depois o Banco cresceu, expandindo-se para outros estados, quando então passou a ser reivindicada a fundação de outras associações locais: Recife, Rio de Janeiro e São Paulo.

Na Bahia, as instalações da ASDBE se tornaram pequenas demais para o tamanho do quadro do Banco.

 
Acesso não autorizado.